terça-feira, 17 de outubro de 2017

Não tenho modos para o amor

Não tenho modos para o amor
Definitivamente
Não sei fazer jogos
Quando quero, quero logo
Não sei dosar
Tudo quero misturar
Fragilidades são encantadoras
Como a imensidão do mar
Descobrir, emergir
Redimensionar
Não tenho tempo pra tantos "nãos"
Casa comigo essa noite, segura minha mão
Tá todo mundo cansado
Tem que ser, tem que comprar, tem que pagar
Deixa a corrida pros carros lá fora ecoar
Capitalismo colonizador
Temos hora marcada pra fazer amor
E até pra sentir dor
E quando estamos exaustos de um dia todo de trabalho
Do suor derramado, do tic-tac abominado
Definitivamente
Não tenho modos para o amor
( 5 de setembro, 2017)

Quero ficar nua

Quero ficar nua
Do meu ego que é cego
Quero ficar nua
Da sua malicia vazia
Quero ficar nua 
Não é pra vc aquela siririca
Com pelos ou sem
Quero ficar nua
Do seu olhar ofensivo
Quero ficar nua
Fetichismo? este gozo não será submisso!
Meu ventre ferido
Invadido da acidez dos seus
Jamais abaixarei a cabeça pro seu deus
Os mamilos que te alimentaram
Continuam sendo só meus
Quero ficar nua
Não estamos pedindo permissão
Legitimação ou opinião
Quero ficar nua
Somos a própria criatura
O assunto? Não é elaboração do seu tesão
Quero ficar nua
Quero minha companhia
Rasgarei suas roupas
Amarras
Mentiras
Falsas conquistas!
[ Pensamento dançante - 28 de agosto, 2017]
Escutar
Com os olhos
Com o coração
Com o silêncio
Com o abraço
Com a ausência
Quem não gosta de se sentir amado de fato deve está equivocado
Aquele velho sentimento de que se importa
No seu prazer anda atento, mantendo aberta a porta
Quem não gosta de ligação inesperada no meio do dia
Levar aquela comida predileta na quentinha
Quem não gosta de filme embaixo do cobertor
E se ficou chato..hora de fazer amor
Quem não gosta de contar besteira
Falar asneira e beijar até dá suadeira
Quem não gosta de dançar agarradinho
Fumar um fininho
Fazer denguinho
Quem não gosta de ter colo pra chorar
Ajuda pra levantar, quando preciso, desabafar
Quem não gosta de abraço acolhedor
Cheiro no cangote
Sexo quente pra te deixar mais forte
Sonho sonhado junto
Plano de casa no mato
Menos asfalto
Quem não gosta de poder dizer o que se sente
Sem ficar tramando planos mirabolantes na mente
Quem não gosta de companhia nas tardes frias
Ver mais cores, sabores, magias
(...)
[ Pensamento Dançante. 8 de agosto, 2017 ]

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Flutuo, pulverizo
retomo caminho
tomo um gole de coragem
fumaça de cores e paisagem
me projeto, revelo
repito: não nos faça de objeto!
crio narrativa antiga
olho meu vente
encontro umbigo e também barriga
fecundo gerações
choro quando sofro
iluminadas canções
não sei de nada
não sou de nada
experimentação inacabada


(Julho, 2017)

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Não tive

Está no leito
Quarto branco
Ouço lamento
Judiação maior não tem
Telenovelas de partos
Anestesiada
Sonolenta
Sozinha
Poesia espacial
Perturbação mental

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

samba

Se em toda imensa beleza há tristeza
Reconheço-a, vivo-a
Canto somente o que pulsa
Digo o que se pede
Respiro o agora
Calo-me diante do infinito do que sou
Hoje apenas estou
no amor, na dor
no samba de quem me coroou