sexta-feira, 11 de junho de 2010

Acabei de te olhar, de longe
Estava com uma amiga totalmente diferente de mim, talvez mais perto de você
Estava iludido como nos ultimos dias em que pude te passar os olhos
Me sentiu por perto, desviou teus olhos mas pôde me ver porque acenei com ar de feliz
Você disse "oi" e sorriu desviando seus dentes e sua alma para o vento para que não coresse o risco de se encontrar com parte do meu riso nos seus sonhos
É estranho.
Deixei esquecido todas aquelas páginas escritas no meu velho caderno, todas com um pedaçinho do seu nome
Fiz isso não só por mim, fiz por você
Acreditas que está em paz, acreditas que a amizade que parecia tão sólida e eterna se dilui com crenças e fugas
De Deus, por Deus.
Quem somos nós senão os deuses terrestres do dia-a-dia ?
Deus...Jesus...fé...tudo igual e tornados diferentes só para dividir pessoas iguais e diferentes como nós dois.
E o bendito e famoso "amor ao próximo" ? Deixa para o próximo que esteja próximo realmente de você. Nesse mundo de ilusão em que quis adormecer não sei por quanto tempo. Te quero feliz sem te ver como aquele menino que abraçava o meu mundo com tanta amorosidade.
Sinto sua falta meu grande amigo.

2 comentários: