segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Como um cd arranhado
Como uma fita que não quer voltar
Como a voz que nunca se cessa
E é assim que tudo funciona, esse amor, nosso amor
E é assim que tudo vejo, nada vejo, revejo
Talvez espécie de deja vu
Talvez eu nem esteja aqui quando tudo começar a fluir
Só sei que eu vim, vi e vivi
E o que chamam de amor, é...eu já senti
Não falo daqueles amores de cinema, Hollywood está muito longe daqui
E de glamour e luxo estou farta, apenas quero caras,
caras um dia sem máscaras

Oaiana Marques

3 comentários:

  1. Você tá muito boa nisso, Ozi! Estou adorando ler o que tu escreve cada vez mais!

    ResponderExcluir
  2. que profundo....
    muito bom ozii...lindão

    ResponderExcluir
  3. muito bontito, e bom também, não é apenas belo, tem consistência.

    vc tbm é linda!

    beijooo

    ResponderExcluir