domingo, 11 de abril de 2010

Cansaço

As vezes me sinto tão cansada que a coisa que mais desejo é ver a noite chegar e demorar para terminar, porque assim posso dormir, não me sinto sozinha nos meus sonhos.
E quantos sonhos são sonhados na minha mente sem amarras, sem ter alguém para dizer : " Não, não pode! " ou então o meu próprio julgamento a me condenar: " Não faça isso. Não!". Existem sonhos que são sentidos tão intensamente por mim, que quando sinto que vou acordar, respiro fundo e me concentro para que possa ao menos me lembrar dele nitidamente. Existem outros sonhos que, de forma linear, falo como se todos estivessem me ouvindo, estivessem me entendendo, estivessem dispostos a compartilhar comigo todo o sentimento jogado nas palavras metaforizadas e muitas vezes agressivamente soletradas. Os olhos enchem de lágrimas quando elas são ditas, mas meu choro não impede que minhas palavras continuem a fluir, o meu choro vem aos poucos e também de forma organizada, igualmente aos meus pensamentos. Chóro e sou agressiva sem o intuito de magoar quem por ali se dispõe a me ouvir e precisa me ouvir, de fato. Chóro no intuito de me livrar das mais pequenas grandes mágoas que em lucidez nem enxergo de tão profundamente localizadas no meu estômago estão. Luto em não ver o sol ao amanhecer, tento ignorá-lo, não por não admirar a sua energia e a sua beleza, mas por querer ver o final do sonho, ver a reação de quem me ouve. Mas nem ao menos consigo observar os rostos dessas pessoas, não sei...tento pensar que elas existem nos sonhos porque as sinto, tento pensar, apenas tento pensar.
Eu simplesmente não vejo como fazer isso se tornar real, as pessoas estão surdas, estão cegas! Já tentei, eu já tentei...não adianta, vou acabar me engasgando com meu próprio vômito. E ainda sim, elas continuarão surdas, cegas...me causam náuseas!

Um comentário: